A importância da proteína no organismo humano.

As proteínas são essenciais para o organismo humano, tanto para o desenvolvimento quanto para o crescimento.

As proteínas fornecem energia ao corpo e é necessária para a fabricação de hormônios, anticorpos, enzimas e tecidos.

E o que são as proteínas?

  • Macronutrientes formados pela combinação de aminoácidos ligados entre si através de ligações peptídicas. Ou seja, quando a proteína é consumida, o corpo a decompõe em aminoácidos e assim ocorre a absorção pelo organismo.

Fundamentais para a formação dos músculos, enzimas e do nosso DNA, além de estarem envolvidas em diversas funções relacionadas ao Sistema Nervoso Central (SNC), metabolismo energético e sistema imune.

Assim, as proteínas são uma parte necessária de todas as células vivas do corpo, ao lado da água, a proteína compõe a maior parte do nosso peso corporal. No corpo humano, as substâncias proteicas compõem os músculos, ligamentos, tendões, órgãos, glândulas, unhas, cabelos e muitos fluidos vitais do corpo, e são essenciais para o crescimento dos ossos. As enzimas e os hormônios que catalisam e regulam todos os processos corporais são proteínas. As proteínas ajudam a regular o equilíbrio hídrico do corpo e a manter o pH interno adequado. Auxiliam na troca de nutrientes entre os fluidos do corpo , causando edema. As proteínas formam a base estrutural dos cromossomos, através da qual a informação genética é passada de pais para filhos.

Quando não há ingestão suficiente de aminoácidos essenciais o cérebro envia um sinal para os músculos liberarem alguns de seus tecidos. O músculo humano é rico em aminoácidos essenciais, por isso pode apoiar os órgãos vitais como o fígado e o coração durante os períodos de baixa ingestão. Mas atenção, o excesso de proteína também pode não ser saudável.

Para que ocorra o processo de ganho de músculos precisa estar disponível em nosso corpo todos os aminoácidos envolvidos na síntese de proteína, em quantidades adequadas para a reconstrução e, consequentemente, aumento das fibras musculares, já que os aminoácidos são os blocos fundamentais na construção das proteínas.

E quando se mantém uma ingestão adequada de proteína durante toda a vida, e, através de um estilo de vida ativo, com rotina de atividades físicas, pode-se evitar a sarcopenia.

Você sabia, que a sarcopenia, afeta em média 30% das pessoas com mais de 60 anos de idade e até 50% daquelas com mais de 80 anos.

Quais as principais funções das proteínas?

  • Crescimento e recuperação muscular, principalmente quando aliadas às atividades físicas.
  • Auxiliar em dietas, alguns estudos mostram que as proteínas são capazes de reduzir o apetite e promover uma sensação de saciedade, inibindo a liberação da grelina (hormônio da fome).
  • Aumento da produção da glutationa, o antioxidante mais importante do nosso corpo, no qual protege as células contra os radicais livres e também contribui com o aumento da imunidade.
  • Defesa do organismo e imunidade, através da produção de anticorpos, fortalecendo ainda mais o sistema imune.
  • Usadas em pós-operatório, as proteínas auxiliam na reconstrução e cicatrização após cirurgias;
  • Prevenção e tratamento da sarcopenia em idosos.

Quais são os principais alimentos fontes de proteína?

  • Carne vermelha, frango, peixes, ovos, leite de vaca, queijo, leguminosas como ervilha e feijão, amêndoas…

E além dos alimentos, também podemos suplementar a proteína na alimentação, através do whey, proteína vegana

O whey protein é considerado uma proteína completa e de alto valor biológico, ou seja, que contém todos os aminoácidos essenciais e elevado perfil de absorção, digestibilidade e aproveitamento pelo corpo. E qual a diferença dos Wheys?

  • Whey protein concentrado (WPC), foi o primeiro a ser desenvolvido, através de apenas um processo simples de secagem. Constituído de 30 a 80% de proteína proveniente do soro do leite, sendo que o restante corresponde à caseína, gordura, lactose e outros carboidratos.
  • Whey protein isolado (WPI), aonde o aperfeiçoamento das tecnologias de filtragem proporcionaram isolar uma quantidade maior de proteína do soro do leite (90 a 99%) com quantidades mínimas ou nulas de caseína, gordura, lactose e outros carboidratos.
  • Whey protein hidrolisado (WPH), é o tipo de whey protein de maior valor agregado em razão de sua complexa produção, que passa por um processo de hidrólise (similar ao que acontece no nosso estômago), para facilitar a absorção das proteínas durante a digestão. A hidrólise é a quebra das moléculas de proteína em várias partes menores, chamadas peptídeos.

E as proteínas também podem ser de origem vegetal, como:

  • A base de ervilha, no qual possui um perfil completo de aminoácidos essenciais, boa digestibilidade e absorção, não causa alergia, rica em fenilalanina e arginina.
  • A base de amêndoas, rica em proteínas, fibras, gorduras monoinsaturadas, vitamina E e arginina.
  • A base de arroz, com perfil completo de aminoácidos, boa digestibilidade, rico em arginina, glicina e fenilalanina, com cálcio, fósforo e potássio.
  • A base de semente de girassol, com perfil completo de aminoácidos essenciais, boa digestibilidade e absorção, rico em fenilalanina, glicina e arginina.

E quais os benefícios da suplementação de proteínas??

  • Para recuperar e ganhar massa muscular, quando associado a atividades física;
  • Para prevenir e tratar sarcopenia (processo natural de perda de massa muscular);
  • Como auxiliar em dietas de emagrecimento, quando utilizado como uma opção de alimento proteico de baixo teor de carboidratos, em substituição a alimentos de alto valor calórico, carboidratos e gorduras;
  • Para estimular o funcionamento do sistema imunológico, principalmente através da produção da glutationa;
  • Para acelerar a recuperação no pós – operatório.

As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não deve ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas especificas. Assim, as informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro profissional da saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. Por fim, nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura de ajuda por causa de algo que tenha lido em nosso site ou mídias sociais da Emporio de la Vita;

Balch, Phyllis A. – Prescription for Nutritional Healing. 

Benefícios da Suplementação da Vitamina D

Dentre as vitaminas, a vitamina D está entre as mais antigas estudadas, começando a ser estudada nos fitoplanctons, na espécie humana começou a ser estudada no final do século XIX e início do século XX, devido o aumento da população urbana e tratamento para o raquitismo, levando os governos a orientarem quanto a exposição ao sol e em seguida a indústria a fortificar os alimentos.

No entanto diferente das vitaminas, termo este criado por Casimir Funk, a vitamina D, na realidade é um pré-hormônio, que através de uma série de cascatas será convertida no hormônio esteroide calcitriol.

A vitamina D é uma vitamina lipossolúvel que possui propriedades tanto de uma vitamina quanto de um hormônio, é necessária para absorção e utilização do cálcio e do fósforo. É necessária para o crescimento e é especialmente importante para o crescimento e desenvolvimento normal dos ossos e dentes das crianças.

Este composto, é de fundamental importância para o ser humano, está diretamente envolvido com mais de dois mil genes, e apresenta receptores em todas as células humanas, a mesma característica só pode ser observada no hormônio da tireoide T3.

Apesar da vitamina D estar na maioria das vezes correlacionadas com a saúde óssea, estudos vem demonstrando que os níveis de vitamina D estão associados à inflamação do organismo, risco do desenvolvimento de câncer, diabetes, doenças cardíacas, autoimunes, dentre outras.

A deficiência de vitamina D está correlacionada com a fragilidade muscular, osteoporose, aumento de infecções virais e bacterianas, doenças autoimunes, estresse oxidativo, síndrome metabólica e da diabetes tipo II, risco de hipertensão, risco cardiovascular, risco de vários tipos de câncer e de doenças neurológicas e psiquiátricas.

Por isso a Vitamina D é essencial para o funcionamento do organismo humano.

Existem várias formas de vitamina D, incluindo a D2 (ergocalciferol), que vem de fontes alimentares, a vitamina D3 (colecalciferol), que é sintetizada na pele em resposta à exposição aos raios ultravioleta do sol, e uma forma sintética identificada como D5. Das três, a vitamina D3 é considerada a forma natural da vitamina D e foi considerada a mais ativa.

As informações fornecidas neste site destinam-se ao conhecimento geral e não deve ser um substituto para o profissional médico ou tratamento de condições médicas especificas. Assim, as informações contidas aqui não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento do seu médico ou outro profissional da saúde qualificado com qualquer dúvida que possa ter a respeito de sua condição médica. Por fim, nunca desconsidere o conselho médico ou demore na procura de ajuda por causa de algo que tenha lido em nosso site ou mídias sociais da Emporio de la Vita;

Saliba w, Barnett-Griness o, rennert g. The relationship between obesity and the increase in serum 25(OH)D levels in response to vitamin D supplementation. Osteoporos Int. 2013 Apr;24(4):1447-54. Sorrentino V. Segredos para uma vida longa. 2ed. Porto Alegre: TRX Estratégias de Comunicação, 2014.  Terushkin v, Bender a, Psaty es, Engelsen o, Wang sq, Halpern ac. Estimated equivalency of vitamin D production from natural sun exposure versus oral vitamin D supplementation across seasons at two US latitudes. Journal of the American Academy of Dermatology. Volume 62, Issue 6, June 2010.  VIETH R. Vitamin D Toxicity, Policy, and Science. J of Bone and Mineral Research. Volume22, IssueS2, December 2007. Wacker M, Holick MF. Sunlight and Vitamin D: A global perspective for health.  Dermatoendrocrinology 2013, Jan1;5(1):51-108 Yang CY, Leung PS, Adamopoulos IE, Gershwin ME. The implication of vitamin D and autoimmunity: a comprehensive review. Clin Rev Allergy Immunol. 2013;45:217–26.